segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Lançamento do livro Tenho dito em Curitiba

O lançamento de Tenho dito aconteceu na Biblioteca Pública do Paraná, no dia 13 de outubro de 2009. Ao local compareceram parentes e amigos, aos quais registramos aqui nossos agradecimentos.




Clique no endereço abaixo para visualizar o álbum com as fotos do evento na BPP:



http://picasaweb.google.com.br/Ligia.De.Bona/LancamentoDeTenhoDito?authkey=Gv1sRgCNOBgvW-_53uEg#

11 comentários:

  1. Ligia, infelizmente não pude ir no lançamento do livro,mas achei interessante as fotos que vc publicou.
    Felicidades com o blog.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog Lígia e principalemente pela disposição. Daqui de Brasília torço para o seu sucesso ! Beijo,
    Bia

    ResponderExcluir
  3. Lígia,
    Fiquei encantada com a homenagem feita a seu pai!! As fotos com sua netinha eu adorei!! Como ela é linda! Parabéns!!!!
    Um grande abraço e um ano com muitas surpresas agradáveis!!
    Edith Porto

    ResponderExcluir
  4. Lígia,
    Fiquei encantada com a homenagem feita a seu pai!! As fotos com sua netinha eu adorei!! Como ela é linda! Parabéns!!!!
    Um grande abraço e um ano com muitas surpresas agradáveis!!
    Edith Porto

    ResponderExcluir
  5. Parabens, Ligia, estás cada dia mais moderninha.

    Ótima idéia, o livro sobre os discursos de seu Pai é mesmo um livro de referência sobre a história de Morretes, lí alguns deles e gostei muito. Abçs. Suzana

    ResponderExcluir
  6. Olá Lígia, como filho de Morretes e ligado à Família De Bona, sempre admirei o seu pai pela excepcional figura que era. Fiquei feliz pelo resgate histórico que você fez, pois é um pedaço da história da nossa adorada Morretes que se aviva. Parabéns pelo trabalho e conte sempre comigo e com a Iracema, afilhada do saudoso Marquinhos a quem tinha como segundo pai. Gilberto Foltran

    ResponderExcluir
  7. Oi Prima
    Voce sabe quanto me emocionei com este livro. É reviver a nossa vida, nossa família e os amigos que passaram e que ainda estão vivos na nossa memória Saudades eternas a todos que conviveram conosco e participaram de nossas alegrias e tristeza e que agara voce os trouxe para ficarem mais vivos em nossos corações..
    Bjs Zeila

    ResponderExcluir
  8. Eu estou muito orgulhosa e feliz pelo trabalho de minhas primas e pelo livro Tenho dito. Parte da história de acontecimentos guardada por muitos e muito anos. Hoje nós podemos ler e nos espelhar na vida dele - homem simples e despojado de todas as vaidade e de coisas materiais que a vida oferece e com uma bagagem enorme de amor e solidariedade com o próximo. Que este ato de amor delas para com o pai sirva de exemplo para nós com os nossos familiares que nos cercam e nos rodeiam, pois cada um tem dentro de si um valor imenso e uma história de vida. Eles nao se encontram mais entre nós mas coninuam vivos nos nosso coraçoes e nas nossas vidas.
    Zelinda de Bona - afilhada e sobrinha de Marcos Luiz De Bona

    ResponderExcluir
  9. Rui Dias de Carvalho17 de março de 2010 13:57

    Lígia,

    Tudo bem ?

    Terminei de ler, já há algum tempo, o Tenho Dito. Foi uma viagem no tempo. Deu saudades até de coisas q não conheci, mas q pude imaginar !
    Parabéns pelo livro
    Abraços em todos,
    Rui.
    Brasília DF

    ResponderExcluir
  10. Ligia,
    fiquei muito feliz ao lembrar do Sr Antoninho.
    Ele foi, sim, uma figura que para mim parecia de um romance.Romance onde todos eram amigos e se amavam; pois é assim que lembro dele. Fez muita falta mas deixou um grande testemunho: AMOR À VIDA!
    CÉLIA
    .

    ResponderExcluir
  11. Ligia, ainda não tinha vista a sua postagem, com tantas fotos. Senti uma tristeza pelo tempo que passou e contente por ver fotos de pessoas que não via há muitas décadas. Inclusive a sua. Última vez que a vi era uma menina. Você deve ser da idade de Marisa ou de Mirtes.

    Que saudades de seu Marquinhos. do tempo que estagiava no escritório dos Marquinho Malucelli, das cobranças da Bahia Capitalização (tenho até um texto contando do porre que tomei com quira no engenho do Lori (http://mcherobim.multiply.com/journal/item/8/A_quira_embriaga). Quando me levava ao Sete para ajudar a servir as mesas. Seu Marquinhos ocupou uma boa parte da minha adolescência.

    As cartas, os discursos, as notícias publicadas nos jornais e outros escritos do seu Marquinhos contam um bom pedaço da história de Morretes.

    Lígia, um abraço. Mauro

    ResponderExcluir