domingo, 18 de julho de 2010

Professora Iracema Bittencourt


Hoje, dia em que o contador de visitas do meu blog registrou 1.000 acessos, quero agradecer a atenção dos meus leitores e homenagear D. Iracema Bittencourt.
Na memória registramos principalmente os fatos marcantes, aqueles que mais chamaram nossa atenção, e comigo não foi diferente. Eu tinha 7 anos e fui matriculada no velho Grupo Escolar Miguel Scheleder - Morretes - no prédio que depois abrigou o Ginásio Estadual Rocha Pombo. Como a escola estava com a capacidade esgotada algumas crianças foram transferidas para as salas de uma casa na Rua XV, inclusive eu. Era meu primeiro dia de aula e a D. Iracema, segurando minha mão, me levou para o novo endereço. Ao entrar na sala vi as carteiras duplas, e sobre elas um objeto desconhecido. Era um TINTEIRO - de louça - encaixado no tampo das carteiras. Eu muito tímida, em pé, centro das atenções, pois interrompemos a aula com a nossa chegada, sem saber o que fazer com as mãos, meti o dedo no buraco do tinteiro e qual não foi a minha surpresa quando verifiquei que meu dedo saiu azul! Ah! D. Iracema que vergonha! Só não fiquei de cabelos em pé porque usava tranças...


Cidadã benemérita de Morretes


A turma da Escola Normal do Estado (hoje Instituto de Educação de Curitiba) comemorou no mês de novembro p/passado as bodas de prata da sua formatura. Há 25 anos, portanto que aquelas moças idealistas iniciaram o sacerdócio do ensino, fazendo das crianças os homens do Brasil do futuro.
Entre as jovens daquela turma estava a Srta Iracema Bittencourt, filha do saudoso e honrado morretense Bernardo Bittencourt e de sua esposa também de saudosa memória D. Francisca Bittencourt.
Ingressando no magistério no ano de 1939, no Grupo Escolar Miguel Scheleder, a nova professora exerceu as suas funções até 1946. Nesse ano, a insigne mestra D. Maria Luiza Bertz Merkle foi removida, a pedido para a direção de outro grupo na capital do estado, e a professora Iracema foi investida no elevado cargo de Diretora do nosso principal estabelecimento de ensino.
Em todos estes anos houvesse D. Iracema com capacidade, inteligência, dedicação e senso de direção elogiáveis. É ela dotada de notável capacidade de trabalho e de estudos, tendo se formado Contadora no ano de 1958 e está cursando atualmente a Faculdade de Filosofia de Paranaguá. Acumula os cargos de Diretora do grupo e Inspetora do ensino primário, bem como o de professora do ginásio e da escola normal, de tudo se desincumbindo a contento e está sempre presente às iniciativas que visam o bem comum e o sentimento de civismo da nossa mocidade.
Portadora de esplêndida formação cristã a professora Iracema Bittencourt fez-se merecedora das homenagens que lhes foram prestadas na oportunidade do 25º aniversário de sua formatura. As educadoras morretenses fizeram inaugurar em sessão festiva o seu retrato no gabinete do grupo escolar. A Câmara de Vereadores fez-lhe entrega, em sessão solene, do título de Cidadã Benemérita de Morretes, e finalmente os amigos ofertaram-lhe um jantar.
Agradecendo aos que lhe saudaram a distinta morretense, com a voz embargada pela emoção, produziu belas orações.

*Artigo escrito por MLB e publicado em novembro de 1964

5 comentários:

  1. Vera Lúcia Cavazotti21 de julho de 2010 23:08

    Ligia, parabéns pelo seu blog e principalmente pela capacidade de estar sempre construindo, criando ,relembrando a memória das pessoas que você ama / se mantendo muito ativa e sempre viva.
    Um beijo grande Vera

    ResponderExcluir
  2. Olá Ligia, em cada enxadada você tira uma minhoca. Desculpe o trocadilho, mas é a mais pura verdade. É uma emoção maior que a outra. Parabéns e obrigado. Grande abraço.

    Saudações Morretenses
    Éric Hunzicker

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, Amiga!
    Seu Blog está "bombando"!
    Beijos
    Leila

    ResponderExcluir
  4. PARABENS, pelo seu blog, fez com que me lembra-se da minha infância tambem.
    Bjs Odaleia

    ResponderExcluir
  5. Quantas vezes ouvi falar de dona Iracema Bittencourt, ilustre educadora, só não tive o prazer de ser aluna dela, nem desta escola em Morretes, pois nesta época eu já morava em Curitiba, mas passei por todas estas situações, carteira dupla, tinteiro embutido,castigos, sem lei para nos proteger, diretora que quando entrava na sala até a carteira tremia,mas a gente aprendia. É muito bom ter esse cantinho para nossas recordações.

    ResponderExcluir